segunda-feira, 6 de julho de 2009

(des)feito



...eu sou poeta
aquele que desaparece
pra poesia aparecer
ela fica
eu vou...
e minha grandeza aumenta
na medida em que demonstro
que minha arte
é muito maior que eu...

9 comentários:

Luciano Fraga disse...

Poesia evanescente,bela descrição para esta figura emblemática que é o poeta.Outro dia durante o lançamento do livro de Elomar(cantor do sertão da Bahia) em Salvador, ele não permitiu que tirassem "chapas", como ainda considera fotografias, sob o argumento de que a arte caminha na frente e é mais importante que o autor, em que concordo plenamente, grande abraço.

Mirse disse...

Belíssimo, Guru.

Uma aula para muitos que pensam exatamente o contrário.

Parabéns!

Beijos

Mirse

Adriana Godoy disse...

Ei, Guru, a arete é maior que o artista, senão não seria arte. Há alguns que conseguem o equilíbrio, mas são casos raros. Seu poema inspira reflexão. Beijo Guru.

Cosmunicando disse...

lindo isso, martins...

me lembrou décio pignatari:
"eu não sou quem escreve
mas sim o que escrevo
algures, alguém,
são ecos do enlevo."

bjs

Anita Mendes disse...

guru,
a arte,as veses, chega ao ponto de confundir se com o próprio artista tornando a fusão delas indistinta :a chamada obra -prima .a fusão quando natural é inevitável ,sendo a arte muito maior ai nesse caso; porque é um sentimento .(entendeu?)(rs)

...e na simbiose parasitária da tua poesia nós ,os leitores ,é quem mais beneficiamos dessa troca.(rs)

amei teu poema!
beijos enormes pra ti.
Anita.

Anita Mendes disse...

errata "vezes"

Ademar Oliveira de Lima disse...

Estive por aqui em visita ao seu blog!! Abraços Ademar!!

Lou Vilela disse...

Con_siso e maestria!

Bjs

Branca disse...

Perfeito!

 
Website Statistics Investing